Reviravolta no caso de Pinheiro: Bebê já chegou morto no hospital Materno Infantil

By | 1 de fevereiro de 2018

Em nota oficial, o Materno Infantil de Pinheiro esclareceu que na madrugada de hoje um bebê de apenas um dia, vindo da cidade de São Bento,  não foi retirado da ambulância por se encontrar em estado de óbito. E que deram ao recém-nascido adrenalina ainda em São Bento, o que não é recomendado, além de estar em ambulância inadequada, acompanho apenas de uma enfermeira. Em caso de junta médica comprovar o falecimento antes de chegar ao hospital, a prisão do médico Paulo Roberto Penha Costa foi arbitrária. Confira abaixo a nota:

NOTA OFICIAL MATERNO INFANTIL

Na madrugada do dia 01/02, às 2:05 da manhã, chegou na unidade de saúde Materno Infantil de Pinheiro, uma ambulância de São Bento transportando um Neonato de 01 dia de nascido, grave, em uso de Droga vasoativa (adrenalina) que de forma alguma pode ser ministrado por técnico de enfermagem, em companhia apenas de um técnico de enfermagem, de forma inadequada, sem acompanhamento médico e/ou do enfermeiro e sem ambulância adequadamente equipada para esse transporte de Neonato segundo resolução 1.673/2003 do CFM e resolução 375/2011 do COFEM artigo 1 (em anexos). Na chegada a unidade, o Neonato não foi nem retirado da ambulância e foi comunicado à equipe de plantão, que já constatou que o mesmo já se encontrava em óbito. Visto o caso referido, a responsabilidade é inteiramente do médico responsável pelo transporte do hospital de São Bento.

Informamos ainda que os hospitais do município de Pinheiro sempre prestam atendimento a todos os pacientes de todos os municípios, estando pactuados ou não e que segundo o código de ética profissional, se faz claro que todos pacientes graves sejam atendidos e que dessa forma, visto que o paciente já se encontrava em óbito, não caracteriza o fato acima como omissão de socorro.

O Hospital Nossa Senhora das Mercês (Materno Infantil) lamenta profundamente que vidas ainda sejam perdidas por conta da omissão do cumprimento das normas e leis de saúde; o transporte adequado dos pacientes de outros municípios para nossas unidades pólo podem determinar a vida e a morte da população.

Nos solidarizamos profundamente com a dor da família em luto e afirmamos que nunca omitimos ou omitiremos socorro e que lamentamos imensamente não poder salvar as vidas que chegam até nós de forma irremediável.

PUBLICIDADE

Compartilhar