Empresário que agrediu ex-mulher no Maranhão continua foragido

By | 14 de novembro de 2017

Lúcio André Genésio agrediu mais uma vez a ex-esposa Ludmila Rosa (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Está foragido da Justiça, o ex-companheiro da advogada Ludmila Rosa Ribeiro Silva, de 27 anos, que foi agredida fisicamente neste fim de semana, em São Luís. A prisão preventiva do empresário Lúcio André Genésio foi decretada nesse domingo (12) e até o momento, o acusado ainda não foi localizado pela polícia.

Nessa segunda-feira (13), a vítima prestou um novo depoimento na Delegacia da Mulher em São Luís e contou que após as agressões, não conseguia nem andar. Ludmila apanhou do ex-companheiro após um encontro que o casal que estava separado, tentava se reaproximar. De acordo com a vítima, Lúcio André teve uma crise de ciúmes e a agrediu. Ludmila ficou com parte do rosto desfigurada, teve duas costelas deslocadas e vários ferimentos pelo corpo.

Ludmila Rosa Ribeiro da Silva foi agredida pelo ex-marido. (Foto: Reprodução/TV Mirante

Imagens das câmeras de segurança do condomínio onde Ludmila mora, mostrou o momento em que a advogada conseguiu descer do carro e em seguida, cai no chão. Em seguida, Lúcio acelera em direção ao local onde ela caiu e depois vai embora. Após o incidente, vizinhos aparecerem e prestam socorro e depois, levam a vitima para sua casa.

Imagens das câmeras de segurança mostram Ludmila sendo amparada por vizinhos. (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Após a agressão, o acusado foi levado a Delegacia do Cohatrac, onde o delegado plantonista aplicou uma fiança de R$ 4.685,00 reais, pelo crime de lesão corporal. Lúcio André pagou a fiança e foi liberado. O pedido de prisão foi protocolado pelo Ministério Público, por meio da promotora Bianka Sekkef Sallem Rocha. O delegado de Polícia Civil, Válber Braga, que arbitrou fiança ao agressor, também deve ser investigado pela Corregedoria a pedido da Justiça. Desde a decretação da prisão preventiva, o ex-companheiro da vitima está foragido.

De acordo com a delegada Wanda Moura, em depoimento, a vítima contou que a razão para volta no relacionamento seria o filho do casal, fruto de um momento em que os dois conviviam juntos. O motivo da separação foi a primeira agressão de Lúcio ocorrido durante a gravidez de Ludmila. O processo desse caso corre na cidade de Pinheiro.

Em audiência pública realizada na Assembleia Legislativa do Maranhão (Alema-MA) nessa segunda (13), foi anunciado que a Delegacia Especial da Mulher passará a funcionar a partir desta terça-feira (14), em regime de plantão, 24 horas por dia. Serão oito delegados que irão atuar em casos e denúncias de crimes de feminicídio.

A delegacia e o plantão 24 horas passam a funcionar na Casa da Mulher Brasileira, no bairro Jaracaty em São Luís. Além desses órgãos, serão disponibilizados alojamentos, brinquedoteca. Também irá funcionar no prédio a sede do Centro de Referência em Atendimento à Mulher (Cram), mantido pelo município de São Luís.

PUBLICIDADE

Compartilhar